Consultora propõe a minimização do lixo

Carolina Carola – da reportagem local

            Que o lixo precisa ser reciclado, todo mundo já sabe. Mas o que poucos sabem é que a reciclagem também gera poluição e lixo e, portanto, deve ser evitada. Como? Reduzindo a quantidade de lixo.

            Diminuir a produção de lixo é a proposta defendida pela consultora ambiental Patricia Blauth, 40, que trabalha nessa área há 15 anos. Segundo Blauth, isso é relativamente simples: basta olhar para o lixo produzido e verificar o que poderia não estar ali. Guardanapos de papel são um exemplo, pois podem ser substituídos por modelos de tecido.

            A redução pode ser feita também em escala maior. Em uma rede bancária, a consultora propôs a troca de copos descartáveis usados pelos funcionários por canecas duráveis, pessoais, o que pode evitar o descarte de 24 mil copos por dia só num dos prédios. Já no bar Zatar (SP), ela implantou um programa que minimizou em até 50% a produção de lixo. Uma das ações foi substituir os sachês individuais de temperos (açúcar, sal, molhos) por frascos laváveis e reutilizáveis. Leia a entrevista abaixo.

Quem é ela

Nome: Patricia Blauth

Idade: 40 anos

O que faz: é bióloga, especialista em educação ambiental e consultora ambiental na área de resíduos

Filosofia de vida: Não dá mais para pensar em dar sumiço às coisas: temos que valorizá-las. O trabalho é construir esse sentimento com as pessoas, de que tudo é muito precioso. Teremos que ser mais sábios”

       

“A reciclagem tem legitimado o desperdício. Em escolas, temos de desconstruir os programas que se baseiam em gincanas de quanto mais reciclável, melhor. A idéia deve ser: quanto menos lixo, melhor

Folha – As pessoas estão mais conscientes do problema do lixo?

Patricia Blauth – O enfoque de muitos programas tem sido a reciclagem, e nossa equipe de consultores trabalha com minimização. Mas por meio de um programa de coleta seletiva, a pessoa começa a  perceber a quantidade de resíduos e pode passar a repensar suas opções de consumo. Observo que as pessoas estão cada vez mais receptivas a essa discussão. E quando realmente sensibilizamos uma pessoa, ela não consegue mais ver o lixo da mesma forma.

Folha – A quanto pode chegar a minimização do lixo?

Blauth – Há lugares em que diminuímos o lixo para um décimo, com um trabalho pautado nos três erres. Primeiro, a redução do uso, do consumo e do desperdício. Se há um material que não dá para reciclar – uma embalagem por exemplo – ou um utensílio supérfluo, tento cortá-lo da minha lista de compras e substituí-lo. Segundo, a reutilização e, por último, a reciclagem. Quando falamos em minimizar não é algo simbólico, dá para minimizar bastante.

Folha – É possível obter os mesmo resultados em casa e no escritório?

Blauth – O princípio dos três erres serve para qualquer ambiente, e até mesmo para resíduos complicados, como os de saúde. Na minha casa, eu começaria fazendo um diagnóstico do meu lixo. Filtro de papel: preciso mesmo disso? Então troco pelo coador de pano. Bandeja de isopor: posso encontrar os produtos sem a bandeja. Comida: comprei demais, errei no cálculo? Essa é a lógica, ver item por item. No fundo, é um exercício de ser mais responsável, um movimento em busca de opções mais sadias e sustentáveis.

Folha – Mas o estilo atual de vida não incentiva a redução, não é?

Blauth – Infelizmente, não. Para eu reduzir meu lixo, tenho de rever meu estilo de consumo, e a propaganda, dentro outros fatores, me empurra para consumir. A redução depende muito de uma leitura crítica dessa propaganda, dos “avanços” tecnológicos”, do conceito de praticidade, modernidade e progresso. E também depende de nossos laços comunitários, meio enfraquecidos nas grandes cidades. O lixo acaba sendo um reflexo de um padrão individualista, de famílias menores. Precisamos, neste sentido, incentivar novas relações sociais e interpessoais, baseadas na cooperação e na solidariedade. A competição na escola, portanto, mesmo em atividades de “educação ambiental”, é mais uma estratégia que enfraquece esses laços afetivos e contribui para o individualismo, o isolamento, a carência, o consumo.

Folha – Educar as pessoas é difícil?

Blauth – Educação é um interessantíssimo desafio. Eu, que trabalho nisso há 15 anos, acho que falta discutir mais o distância entre a consciência e a ação. Não adianta só informarmos, palestrarmos, concientizarmos. Precisamos motivar as pessoas através de projetos educativos melhor elaborados em termos metodológicos.

Folha – As pessoas erram quando separam o lixo?

Blauth – Muito. Para simplificar, algumas cartilhas, folhetos e programas pedem para separar o lixo seco do úmido. Isso é um equívoco! Entre os resíduos secos, há muita coisa não-reciclável, como o isopor, couro, tecidos, cerâmica, celofane, etc. (O isopor não é reciclável comercialmente no Brasil.) Daí as pessoas separam um monte de coisas não recicláveis, que vão ser descartadas como lixo nas centrais de triagem ou cooperativas de catadores. A simplificação tem confundido as pessoas, e elas se frustram. A questão não é facilitar e tornar a coisa tão banal que seja malfeita. Precisamos, novamente, profissionalizar um pouco o trabalho educativo.

Folha – Seguras de que um material é reciclável, as pessoas não aumentam seu consumo?

Blauth – Certamente a reciclagem tem legitimado o desperdício. Em escolas, temos de desconstruir os programas que se baseiam na gincana de quanto mais reciclável, melhor. A idéia é quanto menos lixo, melhor. Em certas escolas as crianças chegam a convencer os pais a não comprarem cerveja em garrafa de vidro, retornável, para comprar uma lata descartável. Daí as pessoas geram lixo de propósito em nome da reciclagem, da preservação ambiental.

Folha – O símbolo nas embalagens é garantia de que o material é reciclável?

Não, isso ainda não está normatizado no Brasil, e as empresas usam isso como marketing ecológico. É propaganda enganosa. Tanto que até em bandejas de isopor está lá o símbolo das três setinhas em relevo. Tudo bem, o isopor é reciclável. Mas onde, lá no Japão? Aqui, ninguém aceita. Esse símbolo deveria ser usado onde o material fosse comercialmente reciclável, onde as empresas fossem mais honestas com seus consumidores e mais preocupadas com a sustentabilidade ambiental e a responsabilidade social.

Folha de São Paulo, Folha Equilíbrio, 31/07/2003

Artigo no formato word